Logotipo endocrinovalle

Saúde da Mulher na Menopausa

Saúde da Mulher na Menopausa

Sumário

A menopausa marca um período de declínio de várias funções do corpo, como a função sexual, cognitiva, o sono, a função articular, força muscular, massa óssea, ganho de peso, aumento do risco cardiovascular e surgimento de alterações glicêmicas (pre DM, DM). Portanto, é essencial que os riscos sejam monitorados por meio de exames, bem como orientações adequadas para prevenir o surgimento de doenças que poderiam ser evitadas. Da mesma maneira, os sintomas possuem manejo e orientações específicas, com o intuito de melhorar a qualidade de vida, independente da reposição hormonal.

1. Saúde Cardiovascular e Obesidade

Sabemos que a Menopausa eleva o risco cardiovascular, sendo necessário o médico avaliar o seu risco em particular, que depende de várias condições (HAS, DM, valores do colesterol, tabagismo, etilismo, sedentarismo, idade) e de um cálculo que fazemos com a calculadora ASCVD, com tais fatores. Para as pacientes de alto risco cardiovascular, na maioria das vezes, é necessário medicações que reduzem o colesterol, para prevenir chances de Infarto e AVC, enquanto em outras pacientes, os níveis do alvo do LDL podem ser obtidos com modificações de estilo de vida – isto é, atividade física, dieta e perda de peso. Além disso, os níveis de glicemia devem ser avaliados, pois também aumenta-se o risco de Diabetes, o que contribui para o risco Cardiovascular.

É muito frequente o ganho de peso, sobretudo na cintura abdominal, com grande dificuldade em perdê-lo. Por este motivo, a paciente deve buscar os profissionais mais capacitados em tratar obesidade (Endocrinologia atualizada e nutrição) para obter orientações específicas e eficazes, compreendendo que a ciência da obesidade evoluiu muito nos últimos anos e dispõe de mais ferramentas para auxiliar nesta dificuldade. Desta maneira, não temos o objetivo único da estética, mas sim o da saúde, prevenindo ou atenuando várias das doenças acima mencionadas: Hipertensão, Diabetes, AVC, Infarto, Apneia do Sono, vários tipos de Câncer. Leia a sessão de Obesidade neste Site, para entender todo o tratamento disponível.

2. Saúde Óssea

A mulher que está na menopausa também precisa de cuidados específicos quanto à Saúde Óssea independente do uso de TRH. É necessário garantir uma boa ingesta de cálcio na alimentação, o que configura 1000 a 1200 mg por dia, equivalente a 3 / 4 porções de leite e derivados. Caso isto não seja possível, por alguma intolerância, deve-se suplementar o cálcio com comprimidos.

Sobre a vitamina D, obtemos principalmente pela exposição solar, muito mais do que nos alimentos. Portanto, ou podemos nos expor ao sol por um período (30 min – hora por dia), ou podemos realizar a suplementação por meio de vitamina D – apesar de que a Sociedade de Dermatologia não recomenda ou incentiva a exposição solar, devido ao risco de câncer de pele e envelhecimento precoce da pele.  A dose de manutenção varia entre 7.000 ui a 21.000 ui por semana e nunca deve ser feito de maneira injetável, pelo risco de intoxicação! É importante entender que, se o estilo de vida não mudar (expor-se mais ao sol), a manutenção da vitamina D deve ser feita para sempre, pois , do contrário, reduzirá novamente, prejudicando os ossos. O objetivo será manter a vitamina D > 30 mg/dL.

Para avaliar corretamente a saúde do osso, realizamos a Densitometria Óssea, a qual é indicada ao início da TRH ou na presença de algum fator de risco para a Osteoporose (histórico familiar, fratura de fragilidade, doenças reumatológicas, DM etc). Do contrário, pode ser realizada somente após os 60-65 anos. Caso seja detectado osteopenia, a qual é uma redução da massa óssea, devem ser mantidos e reforçadas as condutas acima. Caso seja detectado osteoporose ou fraturas de fragilidade (baixo impacto, de coluna, punhos e quadril), a qual é uma redução da massa óssea mais grave, com maior risco de fraturas, um dos tratamentos consiste em TRH ou Bifosfonados (Alendronato, zoledrônico, Risendronato ou Ibandronato). É extremamente importante tratar tudo isto, pois as fraturas de fragilidade marcam o início de um declínio da mobilidade, força e independência progressivo, aumentando sobremaneira a mortalidade.

3. Saúde Muscular

     Sobre a massa muscular, há um declínio importante com a Menopausa, sendo essencial a realização de atividade física de resistência (musculação, pilates, funcional, Cross training), associada a um bom consumo de proteínas por dia, além de outros fatores (boa noite de sono, hidratação, níveis adequados de vitamina D etc). Existem vários suplementos também com evidência científica de eficácia e segurança, que auxiliam no ganho da massa muscular também (creatina, beta-alanina, hidroximetilbutirato).

4. Saúde das Articulações

As articulações tendem a sofrer degeneração (artrose) com o tempo e sobretudo com a menopausa, sendo essencial, novamente, a prática de atividade física regular, evitando posturas e exercícios viciosos, com sobrecarga de peso em uma articulação. Isto é, a fisioterapia é essencial quando se tem artrose de uma articulação, com dor e rigidez. A perda de peso, em pessoas com sobrepeso, alivia a carga das articulações mais acometidas (quadril, joelho, tornozelos) e a reposição de colágeno do tipo 2 também se mostrou eficaz em reduzir sintomas (Dor, rigidez) e desacelerar a progressão das lesões.

5. Saúde Sexual

Depois da menopausa, o desejo sexual reduz-se progressivamente e a perda de libido se torna uma queixa extremamente frequente. Pode estar associada a sintomas de atrofia vaginal, com dor na penetração e durante a relação, gerando uma associação negativa com o ato sexual. Isto pode ser tratado com cremes vaginais de estrógeno, sem ter o problema dos efeitos adversos e contraindicações do uso sistêmico, pois eles atuam somente no local da vagina, sem absorção para o corpo. Uma exceção a isto é o câncer de mama.

Além disso, o médico deve avaliar possíveis distúrbios psicológicos que prejudiquem a libido, como transtorno de Depressão, Ansiedade, Tr. Obsessivo Compulsivo, devendo ser tratadas adequadamente.

Outras causas físicas da redução do desejo sexual constituem doenças endócrinas (tireoide, adrenal, acromegalia, hiperprolactinemia), ginecológicas (endometriose, prolapso uterino, dor pélvica), malignidades, disfunções orgânicas, síndrome metabólica (obesidade, Diabetes Mellitus). Todas devem ser investigadas e tratadas.

Existem várias medicações associadas à perda de libido: antidepressivos e ansiolíticos (fluoxetina, paroxetina, amitriptilina, sertralina etc), anti psicóticos (haldol, quetiapina, olanzapina, risperidona), benzodiazepínicos (Diazepam); lítio; anti histamínicos (de alergia), Buscopam, medicações de hipertensão (betabloqueadores, hidroclorotiazida, espironalactona, clonidina, metildopa), alguns contraceptivos hormonais, antiandrogênios, tamoxifeno, quimioterapia. Assim, é essencial saber da necessidade real do uso da medicação e, se possível, trocar ou suspendê-la, observando se os sintomas melhoram posteriormente.

Porém, diferente do homem, a libido da mulher depende mais do cérebro do que do órgão sexual ou dos hormônios. Isto é, está relacionada a várias outras questões não físicas, independentes hormônios (incluindo a testosterona): relacionamento com o parceiro durante o dia inteiro, preliminares bem elaboradas, aspectos psicológicos não patológicos (autoconfiança, auto imagem, exigência de alta performance sexual, sentir admiração pelo parceiro, sentir-se amada), histórico de traumas e abusos sexuais prévios, ansiedade e níveis de estresse (cuidado com os filhos, problemas com os pais, cuidado com seus dependentes), indisposição/ fadiga, sobrecarga de trabalho etc. Portanto, todos estes aspectos têm de ser trabalhados em conjunto com o médico, o psicólogo, terapeuta sexual, para se obter a melhora do desejo sexual.

6. Fadiga

 É importante entender que sintomas como fadiga, perda de concentração, disposição, humor deprimido, podem se dever a doenças específicas, que devem ser suspeitas e tratadas pelo médico. Por exemplo, os Transtornos Mentais de Depressão, Ansiedade, também tem sua incidência aumentada, após a menopausa, exigindo tratamento multiprofissional (Psicologia, Psiquiatria) e, muitas vezes, medicações.

Devem ser descartadas outras causas físicas também, como falta de vitaminas, anemias, disfunções orgânicas (Doença Renal, Cirrose, Doenças do Coração), Apneia do Sono, Distúrbios da Tireoide, doenças infecciosas crônicas.  Além disso, tais sintomas dependem muito do estilo de vida, isto é: boa hidratação, boa noite de sono, menores níveis de estresse e sobrecarga de trabalho, atividade física regular e estilo de vida saudável (evitar tabagismo, etilismo, alimentação rica em gorduras e pobres em fibras, obesidade).

7. Insônia

Pode vir como consequência dos fogachos, que despertam a mulher durante a noite, ou como resultado do envelhecimento. Assim, é fundamental saber algumas orientações para se melhorar a higiene do Sono, que pode melhorar a própria produção de melatonina, o hormônio do sono, produzido pela glândula pineal do cérebro. Seguem abaixo as dicas.

Algumas vezes, nem o alívio dos calores e a boa higiene do sono resolvem a insônia, podendo ser consequência da redução da produção de melatonina, que ocorre com o envelhecimento. Nestes casos, o médico pode considerar a reposição de melatonina, o que é feito em baixas doses e progredindo até a melhor dose, mas sempre com acompanhamento médico e prescrição.

PDF – Higiene do Sono

8. Queda de cabelos e unhas fracas

É uma queixa muito comum, mesmo em mulheres sem menopausa, e pode-se dever a vários motivos: hipovitaminoses, doenças endócrinas (Tireoide, elevação de testosterona), doenças infecciosas, anemia etc, os quais devem ser pesquisados. Porém, também se relacionam ao estresse e ao envelhecimento. Para isto, existem várias medicações e vitaminas que podem auxiliar nas queixas, conforme a gravidade: biotina, vitamina C, Cistina, Queratina, Silício, Picnogenol, Zinco, colágeno hidrolisado (Verisol 3g ou Peptamen 10g). Todas elas possuem benefício enquanto se estiver utilizando a medicação, tendo um início de melhora em 3 meses (para unhas) e 6 meses (para cabelos). Quando são descontinuadas, deixam de exercer o seu benefício. Assim, pergunte ao seu Endocrinologista ou Dermatologista, qual seria o mais adequado para o seu caso.

É importante também se ter alguns cuidados no dia a dia com os cabelos e unhas, para otimizar o tratamento:

Vemos, então, que para cada sintoma da Menopausa existe um seguimento e um tratamento que pode aliviar as queixas. Porém, é importante entender que cada medicação deve possuir uma função, uma indicação precisa, cujo custo deve considerado na manutenção a longo prazo. Deve-se evitar o uso de multivitamínicos e substâncias caras, que não possuem indicação precisa, que prometem resultados milagrosos, sem esforços, nem evidência científica.

9. Referências Bibliográficas

  1. Pardini, Dolores. Terapia de Reposição Hormonal da Menopausa. In: Villar, Lúcio. Endocrinologia Clínica. RJ: Guanabara Koogan, 2021. 7ª ed.
  2. Hohl, Alexandre. Menopausa. In: Bandeira, Franciso. Protocolos Clínicos em Endocrinologia e Diabetes. Rj: Guanabara Koogan, 2021. 4ª ed.
  3. Pardini, Dolores. Oliveira, M. C. M. Menopausa e Terapia Hormonal. In: Guia Prático em Endocrinologia Feminina, Andrologia e Transgeneridade.
  4. Pinkerton, JoAnn V. Aguirre, F. S. et al. Menopause: The Journal of The North American Menopause Society. Vol. 24, No. 7, pp. 728-753. 201.